11 de maio de 2017

Guadalajara -PE/ Comunidade de Nossa Senhora Auxiliadora

     A cidade de Paudalho é bem marcada pela história, suas terras começaram a ser exploradas no final do séc. XVI.  A região cresceu no impulso do cultivo da cana-de-açúcar e diversos engenhos estabeleceram-se na região.

Guadalajara -Paudalho-PE

     Assim as comunidades foram surgindo uma delas, a antiga Boa Vista, é hoje conhecida como Guadalajara. Encontra-se nas proximidades da rodovia por onde passou a duplicação da BR 408, Km 82, logo após a conhecida mata do antigo engenho São João que demarca as terras da cidade de Paudalho com a antiga Usina Tiúma  pertencente a cidade de São Lourenço da Mata.

Guadalajara-PE

 Devido o seu constante crescimento a comunidade divide seu espaço em vários territórios, parte dele pertenceu ao INCRA e também ao Engenho Mussurepe.  


   Com aproximadamente 16 mil habitantes, esta, é a primeira comunidade da cidade de Paudalho para quem vem do Recife.

    O catolicismo e o protestanismo são religiões presentes e, atuantes na comunidade que recebe como padroeira pela Igreja Católica; Nossa Senhora Auxiliadora.

D. Manoel dos Reis
  Segundo informações de algumas religiosas cristãs do local,  durante muitos anos as missas foram rezadas na comunidade em um terreno baldio, e no ano de  1991 deu-se inicio a construção da Igreja católica sob o comando do então responsável pela paroquia do Divino Espirito Santo da Cidade de Paudalho-PE, Pe. Manoel dos Reis de Fárias, que em 2017 se tornara Bispo emérito da diocese de Petrolina.


   O mesmo também foi o responsável pela escolha do nome e da imagem da Santa padroeira de Guadalajara, a mesma imagem que se encontra no presbitério da Igreja até os dias atuais.

Nossa Senhora Auxiliadora-Guadalajara-PE


    Em 4 de maio de 2011 a comunidade católica de Guadalajara passou a funcionar como Área Pastoral da Igreja e administrada pela Congregação de Santa Cruz (CSC).
   Para oficializar o funcionamento houve uma solene missa  no campo do Piabão presidida pelo então Bispo da Diocese de Nazaré na época, Dom severino Batista.
Pe. Zeca

     Onze comunidades foram integradas à  Área Pastoral de Nossa Senhora Auxiliadora que a partir de então recebeu como pároco o  Pe. José Carlos, mais conhecido como Pe. Zeca.


  No ano de 2015 a prefeitura da cidade de Paudalho doou um terreno para a construção da Igreja Matriz na comunidade, a solene missa para a benção da pedra fundamental para a construção  aconteceu no dia 18 de novembro do mesmo ano com a presença de D. Severino Batista, na época já atuante como Bispo emérito da Diocese de Nazaré, representantes da Congregação de Santa Cruz, representantes do poder público da cidade de Paudalho, Seminaristas e sacerdotes da Diocese de Nazaré-PE e, os fiéis.

Área Pastoral N. Sra. Auxiliadora- Diocese de Nazaré
   
Pe. Severino Gomes
Foto: site CSC

    Em 2016 Pe. Severino Gomes da Congregação de Santa Cruz (CSC)  assumiu a   direção da Área Pastoral de Nossa Senhora Auxiliadora, ajudando os fiéis a        fortalecerem a fé e a continuarem na caminhada cristã.



   A Igreja construída com muito esforço foi passando por algumas transformações com o passar dos anos mas, continua no mesmo endereço onde havia apenas um terreno baldio. 
Igreja de N. Sra. Auxiliadora -2017
 Fonte e fotos: Andréa Maria


A BATALHA DE LEPANTO


     A invocação a Nossa Senhora Auxiliadora deu-se inicio no séc XVI, quando o imperador dos turcos otomanos, após várias conquistas, organizou uma poderosa força naval para conquistar a Europa.

    Nesta época os turcos muçulmanos eram muito temidos, o grande líder dos turcos otomanos, Ali-Pachá, estava prestes a invadir a Europa através do estreito de Lepanto e, deixava um rastro de destruição do cristianismo por onde passava incendiando Igrejas, assassinando religiosos, violentando as crianças e as mulheres e destruindo cidades pelo simples fato de serem cristãs.

Papa Pio V
    A Igreja Católica passava por um momento muito difícil devido o inicio do protestantismo e com divisões dentro da Europa. 
   O Papa Pio V vendo o perigo, com um imenso esforço, conseguiu organizar uma Liga Santa constituída pelos países da Espanha, Veneza, Gênova, Savóia, Nápoles, Estados Papais e os Cavaleiros de Malta formando assim uma força naval com aproximadamente 208 navios e 80 mil soldados que ficou sob o comando de D. João da Áustria para salvar os cristãos da escravidão muçulmana.
   
   Mas, os otomanos possuíam mais de 120 mil soldados em 286 navios e mais de 12 mil cristãos escravizados para rema-los.
  Vendo que a situação era muito crítica todos os soldados cristãos confessaram-se,  jejuaram e rezaram o Rosário acompanhados de D. João da Áustria e do Papa durante três dias antes de partirem para a batalha.
   
Estandarte da Santa Liga
    A esquadra católica concentrou-se no golfo de Lepanto hasteando um estandarte de damasco de seda azul, ostentando a imagem do crucificado, tendo aos pés a armas do Papa, da Espanha, de Veneza e de D. João oferecido pelo Papa e no dia 07 de outubro deu-se inicio a maior batalha naval de todos os tempos.

   Os muçulmanos , que formados em meia-lua, desfecharam violenta carga enquanto os católicos lutavam bravamente revestidos de sua fé prontos a darem suas vidas por Deus e, após poucas horas de um violento e  sangrento combate os soldados cristão começaram a temer a derrota que traria sérias consequências para a Civilização Cristã europeia.

  De repente os otomanos bateram em retirada assustados e a batalha que parecia perdida, transformou-se em vitoria.  Mais de 90 navios otomanos foram afundados ou incendiados  e 130 capturados, quase 9 mil otomanos foram capturados e 25 mil pereceram. Enquanto as perdas católicas ficaram em cerca de 8 mil homens e 17 navios.
   Esta batalha representou o fim da expansão islâmica no Mediterrâneo
Batalha de Lepanto
       Os otomanos presos confessaram que, durante a batalha, uma brilhante e majestosa Senhora apareceu no céu fazendo ameaças para eles e causando muito pavor que começaram a fugir.

  Ao voltarem os soldados cristão ficaram sabendo que enquanto estavam na batalha em águas de Lepanto, o Papa Pio V pediu aos fiéis que rezassem o Rosário de Nossa Senhora.
    Foram feitas  procissões, jejum e orações nas intenções de proteger e abençoar os soldados que estavam na batalha e que na hora da vitoria o Papa teve uma visão pela qual ficou sabendo da vitoria dos soldados de Cristo anunciando a mesma ao povo.

   Em agradecimento o Papa introduziu a invocação Auxilio dos Cristãos na Ladainha de Nossa Senhora dando também a Ela o título de Maria Auxiliadora ou Nossa Senhora Auxiliadora.

A FESTA DEVOÇÃO A NOSSA  SRA. AUXILIADORA

Papa PioVII
      A festa a N. Sra. Auxiliadora só foi instituída em 16 de setembro de 1816 pelo Papa Pio VII.
    Após a batalha a Liga Santa foi desfeita e, Napoleão I queria dominar os estados pontifícios, sendo excomungado pelo Papa. O Papa foi então sequestrado e levado para a prisão na França onde ficou preso por 5 anos sofrendo todas as especies de humilhações.
   O pontífice pediu para que todos os cristãos rezassem a N. Sra. Auxiliadora e logo Napoleão I perdeu o trono e o Papa foi libertado.

   Em 24 de Maio de 1814 Pio VII recuperou seu poder pastoral e     Napoleão foi obrigado a assinar a abdicação do palácio onde aprisionou o pontífice.
   Como agradecimento a Santa Mãe de Deus o Papa criou a festa de N. Sra. Auxiliadora fixando a data  no dia de sua entrada triunfal em Roma Dia 24 de Maio.

   Mas foi Dom Bosco, fundador da Congregação Salesiana, quem espalhou a devoção a Nossa  Senhora Auxiliadora.
    E no dia 17 de Maio de 1903, por decreto do Papa Leão XIII, a imagem que se venera no Santuário de Turim foi solenemente coroada.

OS SÍMBOLOS DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA AUXILIADORA

 A imagem de Nossa Senhora Auxiliadora foi confeccionada de acordo com a descrição dos muçulmanos  presos. Ela é rica em símbolos e significados.


  A COROA simboliza sua realeza.

  O MANTO AZUL simboliza sua origem celestial e também a verdade pois, muitos dos muçulmanos que a viram sobre os navios se converteram tendo a certeza que a  verdadeira fé.

  A TÚNICA VERMELHA simboliza o sangue de Cristo, sua paixão e morte.

  O CETRO NA MÃO DIREITA  simboliza seu poder real de intercessão. A cruz na extremidade superior do cetro significa que o poder de Nossa Senhora não provém dela mas, de Jesus Cristo.

  A CORA DO MENINO JESUS simboliza a realeza de Jesus e também sua bondade, misericórdia do amor e do perdão.

  A TÚNICA AMARELA DO MENINO JESUS simboliza a luz e a divindade de Jesus Cristo.

  O MANTO VERMELHO DO MENINO JESUS simboliza o sangue e o sofrimento de Jesus pela humanidade,  é um anuncio de sua paixão que se repete no sacrifício da Santa Missa

Nossa Senhora Auxiliadora é padroeira da Austrália. e também conhecida como Auxiliadora Protetora do Lar.
Fonte: Google


" De Todas as Crianças e Adolescentes do Mundo, sempre Amigos!"